Prefeitura anuncia epidemia de dengue no Rio

A Secretaria de Saúde do Rio anunciou na tarde desta terça-feira (24) que a cidade encontra-se em epidemia de dengue. Segundo boletim divulgado, o estágio é considerado epidêmico quando há registro mensal de mais de 300 casos por 100 mil habitantes. Em março, a média na capital foi de cerca de 370 casos da doença por cada 100 mil habitantes.

Ainda de acordo com a prefeitura, 12 pessoas morreram de janeiro a 21 de abril de 2012. Até o dia 16 de abril, data do último boletim, nove óbitos haviam sido registrados. Ao todo, 50.016 pessoas foram vítimas de dengue no ano.

A área de maior incidência é a região que engloba Bangu e Realengo, na zona oeste, com 846,6 casos a cada 100 mil habitantes. Em seguida, vêm Campo Grande, também zona oeste, com 686,9 casos e Madureira, zona norte, com 543,5.

No mesmo período de 2011, quando não houve epidemia, já haviam morrido 31 pessoas vítimas da doença.

Em 2002, também de janeiro a 21 de abril, quando houve surto, 62 óbitos haviam sido notificados na capital fluminense. Em 2008, ano em que também foi identificada epidemia, 132 pessoas morreram neste período.

Dengue pode ser mais grave em pessoas com problema de coração

Especialistas da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro chamaram a atenção para o aumento do risco da doença em pessoas com doenças cardiovasculares. Segundo eles, esses pacientes podem ter o quadro agravado, principalmente em relação à queda da pressão arterial e síndrome do choque.

A maior preocupação é com pessoas que já fazem uso de anticoagulantes e antiagregantes, medicamentos que evitam a formação de coágulos nas artérias, por tornarem o sangue “mais fino”.

Como o vírus da dengue ataca as plaquetas, que são responsáveis pela coagulação sanguínea, e o uso desses medicamentos também reduz a quantidade dessas células, existe um risco aumentado de hemorragias, como explicou o médico Wolney Martins.

– Somente um especialista pode determinar como será o tratamento de cada paciente. Na grande maioria dos casos, o benefício trazido pelos antiagregantes e anticoagulantes é superior ao risco de sangramento e, dessa forma, mantém-se a utilização desses medicamentos durante a dengue.

Nas situações quando o risco de sangramento ultrapassa o benefício que o medicamento traz, é preciso recorrer à suspensão temporária, com retorno após a recuperação da dengue.

Fonte: R7

Anúncios

Sua opinião é muito importante para nós.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s